CEVA • Centro Educacional Vivendo e Aprendendo

Como estimular o uso consciente da água

 

 

 

Economia A ́gua

Economia A ́gua 3

 

O trabalho de conscientização dos pequenos, portanto, não está restrito ao ambiente escolar. Vale lembrar que o comportamento dos filhos é, na maioria das vezes, reflexo das atitudes dos pais. Por isso, não adianta querer cobrar algo dos pequenos que não é praticado pelos adultos da casa. O primeiro passo, portanto, é se esforçar para passar um bom exemplo e deixar as crianças mais estimuladas para “copiar” as atitudes dos mais velhos.

A economia de água está ligada diretamente ao respeito à natureza. A partir da consciência de que a água é finita, dá para conversar com as crianças e buscar alternativas de como economizar, para que ninguém fique sem. Uma dica é perguntar, no dia a dia, o que a criança poderia fazer para não desperdiçar, analisando as alternativas que podem se converter em propostas para mudar a rotina. Também dá para montar um diário com a criança, para que ela observe onde gasta água e como evitar o desperdício.

Os pequenos têm maturidade suficiente para entender a importância dos novos hábitos, ao contrário do que muitos pais acreditam. Cada faixa etária requer um nível de conscientização diferente, porém. Com os menores, por exemplo, vale abusar da criatividade e abordar os tópicos da economia de água de um jeito lúdico e divertido, com jogos, brincadeiras e histórias. Apenas dizer que é importante fechar a torneira na hora de escovar os dentes ou mandar a criança obedecer não traz o mesmo efeito.

Esse bate-papo tem que ser mais lúdico. Um caminho, por exemplo, é contar uma historinha antes de dormir, falando sobre a importância da água. Isso ajuda a introduzir o assunto no cotidiano da criança. Mas deve ser sempre de uma maneira leve e divertida, não porque a criança não leva a sério, e sim porque ela está em um momento em que a comunicação fica mais interessante se tem esse ar da fantasia e da magia. É uma questão do que chama mais atenção, o que a diverte.

Ensinar e corrigir

Na hora de tomar banho, por exemplo, os pais podem sugerir uma competição cronometrada, sem comprometer a higiene. O mesmo vale para a hora de escovar os dentes. A criança pode ter um copo com água especial para esses momentos, em vez de abrir e fechar a torneira todas as vezes, e fazer o enxágue rapidamente e com a menor quantidade de água possível. O importante é que os pais se esforcem para transformar essa conscientização em algo divertido e duradouro.

Embora o cenário não seja dos mais favoráveis, vale lembrar que o assunto precisa ser tratado com leveza, sempre. Isso não quer dizer que os pais devem mentir e mascarar a realidade, muito pelo contrário. É importante atentar para a real conjuntura dos fatos, mas sem drama. Alarmar e fazer ameaças pode ter um efeito angustiante nas crianças.

 

Fonte: http://delas.ig.com.br/filhos/2015-02-20/dicas-para-economizar-agua-com-a-ajuda-das-criancas.html