CEVA • Centro Educacional Vivendo e Aprendendo

Sem educação de qualidade...

Pátria Amada

O lema “Brasil, Pátria Educadora”, do novo governo da Presidente Dilma Rousseff, evoca uma dimensão afetiva. Enquanto nação é um conceito mais jurídico, pátria implica um sentimento de pertencimento a uma terra – natural ou adotiva –, um vínculo carregado de memórias e experiências, valores, histórias e culturas compartilhadas. Mas só a educação pode colocar sentido nesse conceito. Caso contrário, ele se converte em patriotismo vazio.

Quando a pátria, exaltada na letra do hino nacional, pode ser de fato “amada”? Quando podemos desejar que nossos filhos sejam criados nesta terra e não em outra? Certamente quando eles podem se orgulhar do país e ter esperança no futuro, construir um projeto pessoal e profissional ancorado num projeto de nação, quando conhecem e valorizam as raízes de seu povo, em toda a sua plural beleza. Isso não se constrói com medidas econômicas, mas com educação.

Só que fazer do Brasil uma pátria educadora requer uma mudança de mentalidade. Não passa simplesmente, como afirmaram os três últimos ministros da educação e também o atual ministro Cid Gomes, por mudar o currículo do ensino médio. Nem requer apenas oferecer mais vagas em creches, submeter os professores a avaliações periódicas ou ampliar o ensino em tempo integral, como anunciou Cid Gomes em recente entrevista ao programa Bom Dia Brasil da TV Globo (http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2015/01/exclusivo-bom-dia-brasil-entrevista-novo-ministro-da-educacao.html)

Ser uma pátria educadora é algo que ultrapassa o que se faz na escola. A educação começa em casa, nos exemplos dos pais, mas transcende para a esfera pública. Implica experimentar, no cotidiano, relações de civilidade, respeito, justiça. E atinge, claro, a dimensão política. Acontece quando há engajamento dos cidadãos, ética nos governantes, transparência no uso dos recursos públicos.

Sem dúvida que a escola, nessa pátria educadora, é ambiente fundamental, onde se aprende a atribuir significados e sentidos à história e à cultura. Nela se recebem as bases que podem formar o cidadão do futuro, capaz de construir uma nação democrática, inclusiva e sustentável. 

Sem educação de qualidade não há “pátria”, apenas um território sem rosto do qual não se pode sentir orgulho verdadeiro: é o país que, hoje, ocupa a lanterna nos exames internacionais de competências educativas e contrata gente fora porque não tem trabalhador qualificado.

Por isso, a sociedade brasileira deveria ter total atenção ao que está acontecendo na escola pública. Respeitar os mestres, fiscalizar mais e cobrar melhorias em situações que são inaceitáveis. Essas atitudes, porém, derivam de algo bem mais profundo, que ainda temos que conquistar: o valor que se atribui à educação.

Sem educação de qualidade, o conceito de pátria se torna meramente sentimental. Pode-se “morrer pela pátria”, sentir-se “a pátria de chuteiras”, ter a “semana da pátria”, cultuando-a com bandeiras e símbolos oficiais. Mas um povo não educado será sempre vítima de um civismo abstrato que, se supostamente unifica o país, no fundo o fragiliza e o torna vulnerável às mais diversas ideologias.

Fonte: http://g1.globo.com/educacao/blog/andrea-ramal/1.html